Mais Dicas Aqui!

03 setembro 2017

0

Guarda-chuva da leitura

Guarda-chuva da leitura



Essa ideia é super interessante e divertida para a criançada, utilizando um guarda-chuva vc usa a imaginação e prepara um lindo cenário para apresentar a história que quiser para seus alunos.

Uma dica é vc enfeitar o cenário  de maneira que ele possa ser usado em diversas historinhas.

Neste caso, enfeitamos o guarda-chuva para a historinha da GOTINHA LOLA, que recebeu um toque de céu, mar, chuva etc.

É importante que os personagens feitos de EVA ou feltro, não sejam colados no guarda-chuva, eles devem ser móveis para vc impressionar na hora de contar mexendo e levando-os para todas as partes do cenário, assim a história se torna real e divertida para a criança.

Aproveite o que vc tem em casa, escolha a historinha que quer contar e use sua criatividade para elaborar mais uma sugestão para encantar seus pequenos.

Boa Sorte!!







31 agosto 2017

0

Governo desiste de antecipar alfabetização do 3º para o 2º ano


(Foto: Diego Padgurschi - 27.mar.2017/ Folhapress)

Ministério da Educação do governo Temer (PMDB) decidiu rever sua decisão de antecipar o término do ciclo de alfabetização do 3º para o 2º ano do ensino fundamental. A avaliação dos alunos, porém, será feita um ano antes do fim desse prazo.
A antecipação do ciclo estava prevista na versão mais recente da nova base nacional curricular, em fase final de preparação e que servirá de referência em escolas públicas e privadas.
O texto enviado em abril pelo ministério ao Conselho Nacional de Educação, órgão que analisa políticas para a área, previa que os alunos fossem alfabetizados até o 2º ano –correspondente à idade de sete anos.
O Plano Nacional de Educação, lei com metas para a área, coloca como parâmetro o 3º ano –equivalente aos oito anos de idade.
No conselho, a proposta do ministério enfrentou resistência. Ao longo de audiências públicas, secretários de Educação municipais reclamaram que, hoje, programas federais, como o Pacto pela Alfabetização na Idade Certa, levam em consideração o limite de oito anos.
Alfabetização no Brasil
Como é hoje
Alfabetização deve ocorrer até o 3º ano do ensino fundamental; avaliação nacional é feita no próprio 3º ano
O que o MEC queria
Antecipar a data-limite da alfabetização para o 2º ano do ensino fundamental
A controvérsia
No Conselho Nacional de Educação, prefeituras reclamaram que a mudança geraria problemas como repetência
Como vai ficar
Acordo prevê 3º ano como limite, mas escolas devem priorizar o tema nos dois primeiros anos. Exame nacional será feito no 2º ano
Um dos relatores da base no conselho nacional, César Callegari, secretário de Educação Básica do MEC na gestão Dilma Rousseff (PT), também vem se manifestando contrário à medida.
O processo de alfabetização, diz ele, tem que levar em conta a diversidade de contextos sociais dos alunos. Crianças que têm pais mais escolarizados, por exemplo, podem ter mais facilidade.
"Tenho convicção de que o 3º ano é o melhor momento, consideradas as diferenças de amadurecimento, repertório de casa e trajetórias das crianças", diz. "Algumas crianças podem se alfabetizar antes, mas colocar um limite precoce pode produzir um conjunto de traumas". Há ainda o risco, afirma, de aumentar a repetência nessa faixa etária.
Segundo ele, questões como essa serão levadas em conta na decisão do conselho.
A secretária-executiva do MEC, Maria Helena Guimarães de Castro, adianta, porém, que a pasta já chegou a um acordo com o órgão. Será uma espécie de solução intermediária. Por um lado, o capítulo da base relativo a esse tema será modificado, e o limite para o ciclo de alfabetização voltará a ser o 3º ano.
Por outro lado, o ministério insiste que ocorra ao longo do 1º e 2º ano o letramento, ou seja, a capacidade das crianças de identificar letras e ler frases curtas, por exemplo. A plena alfabetização, quando o aluno saberia, por exemplo, ler parágrafos maiores e diferenciar uma carta de um romance, ficaria para depois.
"O ciclo de alfabetização será mantido em três anos anos, garantindo que o letramento seja em dois. O Conselho fez essa proposta e achamos adequado". Ela afirma que, nessa linha, o ministério manteve a decisão de fazer a avaliação nacional de alfabetização ao final do 2º ano, e não no 3º, como vem ocorrendo.
O objetivo, segundo Maria Helena, é que as escolas tenham um diagnóstico rápido do que ainda falta fazer no ano letivo seguinte.
Os dados da edição mais recente do exame, aplicada em 2014 a crianças do 3º ano, mostram que apenas 78% dos alunos têm aprendizagem considerada adequada em leitura. Em relação à escrita, o índice é ainda menor, de 66%.
O resultado preocupa, porque é determinante para o desempenho em todas as outras disciplinas ao longo da vida.
Para Daniel Cara, da Campanha Nacional pelo Direito à Educação, a decisão de fazer a avaliação no 2º ano vai fazer com que, na prática, os municípios forcem a alfabetização até essa série.
Ele lembra que o recuo do MEC em relação à idade limite é mais um de uma série. No último ano, a pasta já desistiu de incluir identidade de gênero na base, voltou atrás em pontos da proposta do ensino médio e revogou decreto que liberava a educação a distância no ensino fundamental.
"Tudo isso é consequência de uma gestão que lança ideias sem discussão prévia e, depois, tem que voltar atrás."
Foco Individual
Especialista no processo de aprendizagem de leitura e escrita, a psicopedagoga Edith Rubinstein diz que, mais importante do que a idade, é a escola acompanhar muito de perto o processo de alfabetização de cada aluno.
O desenvolvimento, diz ela, varia de acordo com o contexto familiar –a escolaridade dos pais, o contato com livros etc.
Para ela, não há diferença significativa entre a idade de sete ou oito anos. O importante, afirma, é não só garantir a motivação das crianças, mas também reforçar o desenvolvimento de habilidades mais específicas, o que muitas vezes não acontece atualmente, em sua avaliação.
"Antigamente, a criança era ensinada a ler de forma mecânica, para só depois se interessar pelo conteúdo –o que não era bom", diz ela.
Com o tempo, essa sequência se inverteu, mas a mudança em alguns casos foi exagerada, afirma.
"Algumas práticas tradicionais, como o treino da escrita e exercícios, foram deixadas de lado, e muitos alunos têm problemas como deficiência na coordenação motora fina e dificuldade em diferenciar letras parecidas."
Processo
Diretora do Colégio Equipe, escola particular na região central de SP, Luciana Fevorini diz que o processo de letramento varia muito de criança para criança e tem idas e vindas.
No início da vida escolar, a ideia da escola é promover um primeiro contato com a escrita, de forma a despertar um interesse pelo tema. Ao final do 2º ano, a maioria já está praticamente alfabetizada, afirma.

29 agosto 2017

0

Atividades com formas geométricas para alunos da Educação Infantil

Atividades com formas geométricas para alunos da Educação Infantil



A introdução do conteúdo das formas geométricas inicia-se na educação infantil. O bloco espaço e forma na alfabetização e os conceitos matemáticos são fundamentais para o desenvolvimento das potencialidades da criança, pois eles se encontram em diversas atividades que esta executa diariamente, no reconhecimento de quantidades, nas brincadeiras, nos jogos infantis e pedagógicos, o que favorece o desenvolvimento do raciocínio lógico e da criatividade do aluno.


É importante que antes de inciar os trabalhos com as crianças, o professor faça uma introdução sobre o tema e leve o máximo de informações possíveis para predição.

Abaixo algumas sugestões para trabalhar esse assunto com os pequenos.

Como trabalhar:
  • Trabalhinhos em equipe
  • Formas soltas no tapetinho
  • Desenhos como espelho para montar
  • Depois de colorir com lápis de cor ou tinta guache, os alunos poderão fazer fantoches dos desenhos.
  • Mural das produções
  • Varal das atividades 














28 agosto 2017

0

Tabuada lúdica da multiplicação para o ensino fundamental

Além de colorida e prática, a tabuada lúdica é uma excelente sugestão para trabalhar no ensino fundamental.


Neste caso, está sendo trabalhado a tabuada de 6. Na frente de cada operação foi colocado 6 unidades  de copinhos descartáveis, correspondendo ao número trabalhado, neste caso, a tabuada de (6). Se fosse o número 4, então seria (4) copinhos na frente. E assim sucessivamente. 
 Dentro dos copinhos como na demonstração,  foram colocados objetos (palitos, grãos, tampinhas etc.) de acordo com os números: (0,1,2,3,4,5,6,7,8,9,10). Ou seja, o resultado será descoberto na contagem de objetos dentro dos 6 copinhos de cada operação.

Sugere-se que as operações sejam  afixadas apenas com fita adesiva, para que o painel seja utilizado para trabalhar a tabuada compelta. Trocando apenas os  números. 


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Créditos

As postagens publicadas no meu blog, a maioria são criadas por mim mesma. Tento elaborar atividades de acordo com os níveis dos alunos e espero que de alguma forma elas sirvam de complemento em sua prática docente. Saliento ainda, que as imagens expressas nas atividades são retiradas da URL imagens da net, portanto as que possuírem créditos, esses, serão naturalmente divulgados conforme exige a lei. E claro, na oportunidade de encontrar trabalhos especiais de colegas blogueiras, usarei, divulgarei e darei os devidos créditos .
É um prazer enorme ajudar e trocar experiências com todos.! Sintam-se Especiais no meu cantinho.